quinta-feira, 2 de julho de 2009

morri em vida. Deparei-me com tal relato meu, que por ventura (ou, quem sabe, desventura) escapou das mãos de minha mãe - minha querida progenitora, tudo que encontra em meus pertences, mesmo que bem resguardado esteja, joga no lixo como se fosse apenas delírio sem a menor importância... e talvez o seja.
Começo, então, a refletir sobre o porquê deste triste e talvez início de um poema que outrora preguiçosamente abandonara e, hoje, por mera curiosidade de um passado que alhures esqueci, arrependo-me.
Como pode uma pessoa morrer em vida?
Talvez existira, em certo momento de minha vida, a inexistência de um sim. Citando Clarice Lispector, em A hora da estrela, "Tudo na vida começou com um sim. Uma molécula disse sim a outra molécula e nasceu a vida. Mas antes da pré-história havia a pré-história da pré-história e havia o nunca e havia o sim. Sempre houve. Não sei o quê, mas sei que o universo jamais começou". E tomando tal pensamento como realidade, mesmo que seja esta uma realidade adivinhada, concluo que nunca houve um momento em que eu morrera. Apenas nunca deveras existi.
É nesse compasso entre meu eu que se esconde na verossimilhança que percebo a necessidade de me reinventar. Que ninguém se engane, só consigo obter simplicidade através de muito trabalho, alheio ao que muitos pensam sobre mim. E enquanto ainda existirem perguntas sem respostas, continuarei incessantemente a escrever sobre tais.
Como posso começar pelo início se as coisas acontecem antes de acontecerem? E se o que escrevo não existe, passará a existir agora, controverso ao que eu acabara de escrever. Pensar é ato e sentir é fato. Os dois, juntos, concretizam-se em minha escrita.
E tudo que escrevo, mesmo que soe como rompante alegre, deve-se a minha falta de felicidade. Felicidade? Jamais vi, em toda literatura, palavra mais doida e sem definição que caiba ao senso comum.
Experimentarei, pois, escrever mais do que invenções, histórias dotadas de início, meio e final, daqueles com ponto final. Se puser reticências, corro o risco de abri-las a possíveis imaginações dos leitores que, inconscientemente, são, não raro, maldosos e sem piedade em sua interpretação.
A grande desdita é que para escrever, o material básico é a palavra. Desditas nunca vêm sozinhas, sempre aos montes e de uma só vez, já dizia o poeta Shakespeare, em seu Hamlet. Palavras agrupam-se em frases, e destas se envolam sentidos que ultrapassam as tais palavras e frases, embora o que escreva seja meramente nu, embora nada cintile. Será mesmo, então, que as ações ultrapassam as palavras? Não sei bem como isso tudo quer terminar. Mas sei bem como começa:
- Sim.
E mudei.

6 comentários:

  1. tá, não entendi muito bem... muitas palavras bonitas juntas .-.
    mas eu gostei do que entendi x)

    ResponderExcluir
  2. Mãe, hoje acordei meio 'Arte pela arte'.

    ResponderExcluir
  3. roubaram a ju!
    que texto é esse hein amiga, mto intelectuaaaaaaaal. boiei na maioria. mas enfim. amo você :*

    ResponderExcluir
  4. Hello from GREECE!!!
    Could you visit my blog http://lefobserver.blogspot.com/, in order that the flag of your country, will be added to the index of my visitors?
    Thank you in advanced.

    ResponderExcluir
  5. confesso que estou me sentindo muito burra.
    HUAHAHHAHUAHUH

    ResponderExcluir